Grupo de Pesquisa: Criatividade e Inovação na Perspectiva Cultural-Histórica da Subjetividade

O grupo de pesquisa coordenado pela Profa. Doutora Albertina Mitjáns Martínez está integrado por pesquisadores sob sua orientação, bem como por professores e pesquisadores colaboradores que participam das atividades do grupo por afinidade aos temas desenvolvidos. Tendo como foco as pesquisas e avanços teóricos, o grupo investiga diferentes processos relacionados à criatividade e à inovação, tipos e contextos de aprendizagem.

Há um interesse do grupo pela interface entre campos de conhecimentos com raízes genéticas diferentes: o campo de estudos da criatividade, o campo de estudos da inovação institucional e o campo de estudos da aprendizagem. O grupo assume o embasamento teórico da Teoria da subjetividade desenvolvida por González Rey e as elaborações teóricas advindas das investigações de Mitjáns Martínez no campo da criatividade e inovação há mais de 20 anos. Constitui objetivo do grupo de pesquisa avançar na compreensão das características e processos que subjazem à criatividade e à inovação como processos da subjetividade. Neste enfoque teórico, a criatividade é um processo complexo da subjetividade humana, concepção que rompe com a ideia simplista de que a criatividade é algo inerente à natureza humana ou que corresponde a um conjunto de características cognitivas, motivacionais, ou de personalidade que se adquirem em contato com o meio ambiente.

No enfoque teórico desenvolvido pelo grupo, a criatividade emerge configurada a partir da subjetividade humana compreendida na sua dupla condição de subjetividade individual e subjetividade social, uma nova definição ontológica dos processos humanos que expressa o caráter simbólico-emocional dos mesmos. Desta forma, a criatividade está associada às múltiplas relações entre o sujeito, contexto da ação e organização subjetiva. O interesse do grupo está justamente na processualidade que possibilita a expressão da criatividade, o que pode ou não corresponder a um produto final, mas também e, sobretudo, constitui fonte de desenvolvimento da subjetividade do indivíduo.

Dentre os eixos de investigação fundamentais, o grupo tem se dedicado ao estudo de três grandes temas:

1) Criatividade e aprendizagem: no qual explora a aprendizagem criativa em contextos educativos formais e não formais. Neste eixo, a aprendizagem criativa é compreendida como uma forma complexa de aprender, caracterizada pela confluência de no mínimo três elementos: personalização da informação, confrontação com o dado e a produção e geração de ideias próprias e novas que vão além do dado. Esse modo de aprender expressa uma forma de funcionamento subjetivo particular, tendo em vista o exercício da condição de sujeito; a produção de sentidos subjetivos favorecedores de geração de novidade; a atualização de configurações subjetivas; e a forma como o operacional aparece subjetivado.

2) Criatividade e trabalho pedagógico: no qual se investiga o trabalho criativo do professor e suas relações com a aprendizagem. Neste eixo, o trabalho pedagógico criativo está associado tanto à produção de novidades com valor para a aprendizagem e o desenvolvimento dos estudantes, assim como com o processo de mudanças na subjetividade individual do professor.

3) Inovação nas instituições educativas: no qual o enfoque teórico e epistemológico permite compreender a inovação educativa como geração de novidades caracterizadas por mudanças e alternativas nos processos educativos ou expressões criativas grupais da instituição educativa que se configuram a partir de processos complexos da subjetividade social e da dimensão histórica subjetiva.

Dentre as principais linhas de pesquisas desenvolvidas atualmente se destacam:

  • Criatividade na idade pré-escolar,

  • Criatividade na aprendizagem no ensino fundamental,

  • Criatividade na pós-graduação,

  • Criatividade na aprendizagem em espaços educativos formais e não formais,

  • Criatividade no trabalho pedagógico dos professores,

  • Processos de constituição dos sujeitos criativos,

  • Processos de inovação nas instituições educativas,

  • A subjetividade social das instituições educativas e sua influência na criatividade e a inovação,

  • O papel dos gestores na inovação educativa,

  • Criatividade e inovação na formação de professores.

Vale reiterar que os trabalhos de investigação do grupo se centram na compreensão da criatividade e da subjetividade, abarcando a Educação Básica e o Ensino Superior no Brasil, e abrangem contextos formais e contextos não formais de educação.

Em consonância com a concepção teórica assumida, o grupo adota como eixo epistemológico orientador das pesquisas, a Epistemologia Qualitativa, desenvolvida por González Rey, proposta que fundamenta o estudo da subjetividade. A Epistemologia Qualitativa apoiada em princípios intrinsecamente relacionados à construção do conhecimento enfatiza o caráter construtivo-interpretativo do conhecimento, que outorga ao pesquisador a responsabilidade pela geração de ideias e modelos teóricos. Destaca ainda, o caráter interativo, com ênfase no processo dialógico entre os participantes da pesquisa e o próprio pesquisador, bem como a legitimidade do singular como instância de produção de conhecimento científico.

Por fim, aponta-se que as investigações realizadas pelo grupo em articulação com a teoria cultural-histórica da subjetividade estão sendo desenvolvidas com uma intenção de avançar nas concepções de criatividade e inovação que têm sido hegemônicas no campo. Deste modo, as pesquisas e elaborações teóricas têm permitido uma intensa produção científica que aprofunda na compreensão complexa da relação criatividade, inovação e subjetividade humana. 

 

São algumas das Teses de doutorado, dissertações de mestrado e supervisões de pós-doutorado realizadas nos últimos anos na Universidade de Brasília sob orientação da Profa. Dra. Albertina Mitjáns Martínez:

  • Corpo sentido: Corporeidade e a emergência de recursos subjetivos associados à criatividade. Defendida por Victor Bernardes. 2016. (Mestrado em Educação)

  • Trabalho docente e a emergência da imaginação e da criatividade na aprendizagem: possibilidades e desafios. Defendida por Talyta Moreira de Souza Bezerra Marcello. 2016. (Mestrado em Educação)

  • Produções matemáticas de crianças consideradas em situação de dificuldades na aprendizagem dos anos iniciais da escola pública: análise de processos subjetivos na produção de esquemas mentais. Defendida por Cristiano Alberto Muniz. 2015 (Pós-doutorado em Educação).

  • Processo criativos de ensino-aprendizagem em escolas de educação infantil de Distrito Federal de crianças (co)formadas pela cultura da mídia e do consumo. Defendido por Mariângela Momo. 2015 (Pós-doutorado em Educação).

  • Criatividade e subjetividade na formação continuada de professores da educação infantil da rede pública do Distrito Federal. Defendido por Simão de Miranda. 2015 (Pós-doutorado em Educação).

  • A aprendizagem criativa em contextos não-formais: caracterização e processos subjetivos constitutivos. Defendida por Pilar de Almeida. 2015. (Doutorado em Educação).

  • Aprendizagem criativa da leitura e da escrita e suas inter-relações com o desenvolvimento da subjetividade. Defendida por Luciana Soares Muniz. 2015. (Doutorado em Educação).

  • A criatividade no trabalho pedagógico do professor e o movimento em sua subjetividade. Defendida por Tatiana Santos Arruda. 2014. (Doutorado em Educação).

  • A criatividade do pedagogo perante as queixas escolares. Defendida por Francisca Bonfim de Matos Rodrigues Silva. 2013. (Mestrado em Educação).

  • A aprendizagem dos professores na pós-graduação: três estudos de caso. Defendida por Valdivia de Lima Pires Egler. 2013. (Mestrado em Educação).

  • Inovação educativa e subjetividade: a configuração da dimensão histórico-subjetiva implicada em um processo inovador. Defendida por Luciana de Oliveira Campolina. 2012. (Doutorado em Educação) - Apoio Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

  • A constituição da aprendizagem criativa no processo de desenvolvimento da subjetividade. Defendida por Ana Luiza Snoeck Neiva do Amaral. 2011. (Doutorado em Educação). Apoio: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Tecnológico.

  • O impacto do trabalho com alunos deficientes na subjetividade do professor e no seu trabalho pedagógico. Defendida por Geandra Cláudia da Silva Santos. 2010. (Doutorado em Educação).

  • Estratégias de aprendizagem e subjetividade em estudantes criativos de ensino superior. Defendida por Caroline Torres Oliveira. 2010. (Mestrado em Educação)

  • O movimento da subjetividade no processo de superação das dificuldades de aprendizagem escolar. Defendida por Maristela Rossato. 2009. (Doutorado em Educação).