Trajetória de Albertina Mitjáns Martínez

Albertina Mitjáns Martínez formou-se como psicóloga na Universidade da Havana no ano 1971 e obteve o título de Doutora em Ciências Psicológicas na mesma universidade em 1993. Fez cursos de pós-graduação na Universidade de Moscou nos anos 1983 e 1984 e estágio de pós-doutorado na Universidade Autônoma de Madri em 2007. Foi professora da Faculdade de Psicologia da Universidade da Havana no período de 1972 até 1999 atingindo a categoria de Professor Titular. Foi Diretora dessa Faculdade nos períodos de 1979 até 1987 e de 1991 até 1995 e Vice-reitora da Universidade da Havana de 1987 até 1991.

Foi membro da Junta Diretiva da Sociedade de Psicólogos de Cuba de 1986 até 1999. Em 1995 foi convidada pelo Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília - UnB como Professora Visitante, trabalhando como tal até 1999. Em 2002 começou a trabalhar como membro efetivo do quadro docente da Faculdade de Educação da UnB até sua aposentadoria, em 2015. Atualmente é pesquisadora colaboradora da UnB e docente do Programa de pós-graduação em Educação onde coordena o grupo de pesquisa Criatividade e inovação na perspectiva cultural-histórica da subjetividade assim como professora colaboradora da Especialização em Psicopedagogia Clínica da Universidade de Buenos Aires, Argentina.

 

No Brasil também trabalhou como membro do corpo docente efetivo do Centro Universitário de Brasília - UniCEUB (de 1999 até 2002), da Universidade Católica de Brasília - UCB (de 2000 até 2001) e do Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB (de 1999 até 2002). Tem ministrado cursos e palestras a convite de mais de 30 instituições acadêmicas da América Latina e Espanha. Destacam-se as seguintes: Universidade Autônoma de Madri, Universidade de Barcelona, Universidade Autônoma do México, Universidade de Buenos Aires, Universidade de Porto Rico, Universidade Central da Venezuela, Universidade Central do Equador, Universidade de San Carlos da Guatemala, Universidade de San Marcos em Lima, Perú e ICESI (Cali,  Colômbia).

Tem realizado trabalhos de assessoria e consultoria nos temas de formação e desenvolvimento de equipes de trabalho, criatividade organizacional e inovação educativa em diversas instituições, entre elas o Banco de Brasil, SERPRO e escolas de ensino fundamental e médio. Tem prestado serviços técnicos a instituições de caráter nacional como o Conselho Federal  de Psicologia - CFP e a Federação Nacional de Pais e Amigos dos Excepcionais - FENAPAE. Coordenou a equipe Brasileira do Projeto de cooperação científica entre Brasil e Argentina financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Ministério da Ciência e Tecnologia da Argentina (MINCyt) intitulado O sujeito  que Aprende na Época Atual: processos de subjetivação na aprendizagem  escolar e no  uso de novas tecnologias. Coordenou também a equipe brasileira do Projeto de criação do Mestrado Iberoamericano em Criatividade Aplicada financiado pela Agência Internacional de Colaboração da Espanha.

 

É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq desde 2007 e líder do Grupo de Pesquisa do Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq Aprendizagem, escolarização e desenvolvimento humano desde 2002.

 

Suas principais pesquisas referem-se às áreas de criatividade, subjetividade, aprendizagem, educação e psicologia escolar em uma perspectiva cultural–histórica, destacando-se três direções de trabalho: criatividade e inovação na perspectiva da subjetividade, subjetividade e aprendizagem e subjetividade, deficiência e inclusão escolar.

Albertina começou a desenvolver seus interesses científicos pelos temas de psicologia e educação a  partir de seu trabalho como professora de física do ensino secundário e médio em 1966 e 1967. Interessou-se inicialmente pelo estudo do pensamento, especialmente pelo processo de solução de problemas e  pelo pensamento criativo. A convicção de que esses processos não poderiam ser compreendidos fora de um sistema mais amplo a aproximou ao estudo da personalidade e à criatividade numa perspectiva mais ampla, o que deu origem aos seus primeiro artigos.

Sua tese de doutorado Creatividad y Personalidad: implicaciones metodológicas e educativas foi já a expressão de um posicionamento próprio sobre a criatividade desde uma perspectiva cultural-histórica, ideias que continuou elaborando a partir do desenvolvimento da Teoria da Subjetividade de González Rey e que hoje constituem o aspecto central de sua produção teórica.  

 

Entre outras muitas publicações é autora do livro Criatividade, Personalidade e Educação (1995) derivado de sua tese de doutorado, assim como dos livros La personalidade: su educación y desarrollo (1989) e Psicologia, Educação e Aprendizagem Escolar: avançando na contribuição da leitura cultural-histórica (2017) em trabalho conjunto com González Rey. Também é organizadora e autora das obras Pensar y Crear: estrategias programas y métodos (1995), Psicologia Escolar e Compromisso Social: novos discursos, novas práticas (2005), O Outro no Desenvolvimento Humano: diálogos para a pesquisa e a prática profissional em Psicologia (2004), Creatividad: un bien cultural de la humanidad (2008), A Complexidade da Aprendizagem: destaque ao ensino superior (2009), Possibilidades de Aprendizagem: ações pedagógicas para alunos com dificuldade e deficiência (2011), Ensino e Aprendizagem: a subjetividade em foco (2012), Criatividade e inovação nas Organizações: desafios para a competitividade (2013), Subjetividad y Aprendizaje (2014), O Sujeito que Aprende: diálogos entre a psicanálise e o enfoque histórico–cultural (2014) e Subjetividade Contemporânea: discussões epistemológica e metodológicas (2014).

Fonte: Índice h em 25/04/2017, acessível em: 

https://scholar.google.com.br/citations?user=YyBKZ1MAAAAJ&hl=pt-BR